Cultura Econômica, Ensinando Economia

Síndrome de quase fim de semestre

Não tem jeito, ela está de volta… uma ano fora das salas de aula e achei que seria suficiente para aplacar a minha síndrome de fim de semestre. Não foi. E pior: ainda nem corrigi as provas intermediárias!!

Minha síndrome aparece na forma de um desânimo e um cansaço em dispender energia para tornar o processo de ensino-aprendizagem mais eficiente, buscando formas mais adequadas de tratar os conteúdos, enfatizando o senso de continuidade dos temas abordados em aula, tentando inovações didáticas, etc, etc… Nada parece funcionar para que os estudantes compreendam seu papel no seu próprio processo de aprendizado: eles continuam lá, corpos presentes, mentes ausentes, como se aprendessem por osmose, raramente se dedicando àquilo que deles se espera – estudar, manter uma rotina do que eu chamo “horas-bunda de estudo”. Ok, você pode pensar que o problema não seja esse, que simplesmente a maior parte dos alunos (ou todos) opta por estudar outras disciplinas que não a minha, por motivos de afinidades pessoais com o conteúdo e/ou com o professor. É verdade. Isso pode acontecer, porém ainda não encontrei, em quase quinze anos de docência, um colega que me diga: “poxa, em média, essa turma estuda a minha matéria! participa das aulas fazendo questões interessantes (porque estudam antes da aula) e respondendo às questões que eu proponho, uma beleza!!”.

Sempre tenho longas conversas com alguns poucos colegas (de outras áreas) que se preocupam com o ensino e a formação dos estudantes, minha suspeita é a de que nosso sistema educacional forma robos passivos que vão às aulas esperando receber “cuspe e giz”. Pode até ser que seja, mas, poxa! no segundo ano de faculdade, com a idade e a experiência, já dá para começar a perceber que isso não funciona e que aprender depende mais de si do que do sujeito que está na frente da lousa!!

Até o final do semestre, minha síndrome se agrava e com certeza eu vou voltar aqui no papel de professora chata… rs

Felizmente, e porque minha decisão pela carreira docente é emocional e não racional, a cada nova turma eu recupero a esperança em que “dessa vez vai ser diferente”, afinal, estamos na Universidade de São Paulo, e se as coisas não melhorarem por aqui… enfim…

.

  

6 comentários em “Síndrome de quase fim de semestre”

  1. Professorinha, fui sua aluninha do tipo “corpo presente, mente ausente” por vairias matérias…eco III, financas publicas e financas I, apesar de nunca ter passado em nenhuma, llhe garanto que, agora, no mercado de trabalho de verdade me recordo de vaaarias coisas que vc falava em aula, e que agora me seriam utei,s e me bate um baita arrependimento de não ter estado mais presente…quem saiba numa pós!!! um abraço
    Alessandra Cury

  2. Cara Roseli,
    Não seja por isto. Eu falo, então:
    Poxa, em média, essa turma estuda a minha matéria! participa das aulas fazendo questões interessantes (porque estudam antes da aula) e respondendo às questões que eu proponho, uma beleza!!
    Não que seja verdade, mas agora você já ouviu alguém falar isto!!!
    Um grande abraço,
    Claudio Burian (outro Claudio de BH)
    PS: Mas, falando sério. Teoria econômica (econometria incluso) é linda. Falar sobre ela é jóia. E quando algum aluno entende alguma coisa e também sente este prazer intelectual (de entender um raciocínio complexo e sutil sobre algum tema), isto nos dá um grande prazer, não? É só o cansaço de final de semestre. Todos nós sabemos que isto passa.

Deixe uma resposta para alessandra Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s