Ensinando Economia

Atividades didáticas e avaliativas

O que os prezados pupilos estão a fim de fazer neste semestre?? Já aviso que “NADA” não é uma resposta possível! 😉

Como discutimos no primeiro dia de aula, temos algumas alternativas e vou elencá-las aqui para facilitar nossa decisão.

  1. Provas dissertativas que pode ter peso na média final de 60% a 75%, a depender de que atividades didáticas faremos adicionalmente. Podemos combinar 2 ou 3 provas individuais, sem consulta.
  2. Quizzes em classe e em casa, nota média com peso a definir, por meio do aplicativo Socrative (veja aqui as instruções para usá-lo e faça o quiz teste!! Entre na SALA MONET2018, é provisória, logo vc estará cadastrado numa sala da sua turma! )
  3. Atividade didática on-line: geralmente realizada em grupos, cada grupo é responsável pela produção de um post para o blog a cada semana, com nota para qualidade do post do grupo e participação individual de cala aluno da turma comentando os posts – neste ano pretendo adotar formato “reuniões do Copom” para essa atividade.
  4.  Análise de Conjuntura, com apresentação pelos alunos e síntese geral em classe, composta de pelo menos 2 etapas intermediárias com feedback da professora e do monitor, média simples entre nota do trabalho escrito e da apresentação comporá percentual da média final a definir – neste ano pretendo adotar formato “reuniões do Copom” para essa atividade.
  5. Leitura e discussão de um livro, também atividade realizada em grupos, com produção de sínteses críticas de capítulos livro a ser escolhido por grupos, com participação em comentários dos demais estudantes. O livro deve tratar de conteúdo complementar aos temas estudados em sala.
  6. Curso On-line de Introdução à análise macroeconômica, no Coursera. Aqui, as possibilidades estão em aberto, podemos fazer uma atividade ao longo do semestre em que os alunos realizam o curso e fazem uma breve resenha do tema estudado on-line ou fazemos um fórum de discussão no Coursera. Minha ideia inicial era deixar o estudo livre, com a comprovação de que o aluno cumpriu o curso dada pelo certificado, porém, ainda não recebi resposta para meu questionamento sobre como alunos USP fazem o curso com certificado sem ter de pagar inscrição (conforme informado inicialmente). Veja mais informações sobre o curso aqui.

Mais alguma ideia?? Deixe um comentário aqui!! Ou nos conte em sala de aula!

.

Ensinando Economia, Inflação, Nível de atividade, Política Monetária

K-Ecec: Modelos Macro: comparando duas versões básicas

.

A discussão será iniciada a partir do conceito de Demanda Agregada, baseada em três fatores macro:

  • Curva IS (Modelo Aberto): é a representação do equilíbrio no mercado de bens e serviços.

k-ecec-1

k-ecec-2

  • Regra de Taylor: um aumento na inflação, deverá ser corrigido por um aumento em maior nível na taxa de juros nominal da economia, sendo o fato exemplificado na equação abaixo:

k-ecec-3

Sendo, i =  taxa de juros real estimada por Taylor; i*= taxa de juros real de equilíbrio; π = taxa de inflação anual observada; n*= meta de inflação do Banco Central; Y = produto interno bruto (PIB); Y*= PIB de pleno emprego dos fatores de produção; an = coeficiente de sensibilidade à variação da inflação; ay = coeficiente de sensibilidade à variação do produto.

  • Paridade de juros a descoberto: Supõe perfeita mobilidade de capitais e ativos domésticos e internacionais sejam substitutos perfeitos. É representada pela equação abaixo:

k-ecec-4

Seguindo o modelo acima apresentado, damos continuidade a explicação com a oferta de curto e longo prazo:

  • Curto prazo: como um processo evolutivo da curva de Phillips, sendo explanada pela seguinte equação:

k-ecec-5

  • Longo prazo: ajuste completo das expectativas dos agentes de mercado, implicando em uma oferta vertical, sendo inexistente trade-off de longo prazo da economia.

k-ecec-6

Em seu trabalho, Taylor (2000) se preocupa em discutir como deveria ser ensinado macroeconomia para níveis mais básicos de ensino afirmando que, atualmente, os métodos utilizados não ajudam os alunos a criar uma visão econômica mais intuitiva.

            Para compreender melhor a macroeconomia moderna, Taylor aponta cinco fatos estilizados para completo entendimento sobre a mesma:

  • O produto de longo-prazo (PIB Potencial) pode ser entendido como modelo de crescimento de Solow.
  • Não há trade-off de longo prazo entre inflação e desemprego.
  • Há trade-off de curto-prazo entre desemprego e inflação.
  • Expectativas de inflação e decisões políticas futuras são endógenas e quantitativamente significativas.
  • A taxa de juros nominal de curto-prazo (instrumento de política monetária) é ajustada em relação a eventos econômicos

            Com base nos tópicos apresentados acima, muitos economistas buscaram criar modelos macroeconômicos a fim de explicar as flutuações econômicas. Taylor afirma que estes modelos podem ser sintetizados em três relações principais: (i) a primeira relação se dá entre PIB real e taxa de juros real; (ii) a segunda relação é entre inflação e taxa de juros real; (iii) a terceira relação se dá entre inflação e produto real.

k-ecec-7

Onde  e  são parâmetros de sensibilidade, é igual ao produto real;  é taxa de juros real; , inflação;  e são termos de ajustes a choques.

Combinando (i) e (ii) estabeleceremos a relação da Demanda Agregada: . A Oferta agregada, por sua vez, é estabelecida através relação (iii), a qual é representada horizontalmente, uma vez que o ajustamento de preço e inflação é lento.

 

k-ecec-8

Como conclusão, é possível observar que ambos os modelos convergem para o mesmo resultado, levando em consideração a existência de trade-off de curto-prazo em relação inflação e desemprego e a não existência do mesmo no longo-prazo. Destacamos ainda que o modelo macro completo (primeira parte do trabalho) é mais extenso e apresenta minuciosamente descrito os fatores que influenciam o equilíbrio de mercado, como consumo, investimento, gastos do governo e exportações líquidas. Em contrapartida, o modelo macroeconômico descrito no artigo de Taylor, se fundamenta em modelos mais simples, como o modelo de crescimento econômico de Solow (Houston, we have a problem) e se foca em variáveis diretamente relacionada a inflação e desemprego.

 

REFERÊNCIAS:

  1. MISHKIN, Frederic. The Economics of Money, Banking and Financial Markets – 10th edition. Boston: AddisonWesley, 2009.
  2. TAYLOR, John. B. Teaching Modern Macroeconomics at the principles level – The American Economic Review, Vol. 90 (May, 2000), pp. 90-94.”

.

 

 

Ensinando Economia

SOCRATIVE – quizzes e muito mais

.

Socrative é uma ferramenta desenhada para auxiliar os processos de aprendizado ativo, ajudando o professor a engajar seus estudantes e fornecendo feedback imediato das atividades realizadas por meio dele. Há vários usos possiveis, como: perguntas rápidas de saída, para acessar a compreensão do conteúdo da aula; atividades longas com várias etapas em que os grupos/estudantes vão recebendo feedback a cada etapa; e os quizzes, perguntas de múltipla escolha, para avaliar o acompanhamento dos alunos de conceitos básicos e informações ao longo das aulas.

Este será nosso uso em Economia Monetária para ambas as turmas (Economia e ECEC), faremos nossos quizzes utilizando esse aplicativo!!

As vantagens são inúmeras: feedback rápido; sistematização dos resultados com percentual de acerto e de erros; aleatorização tanto das questões quanto das respostas (vai ser muito ineficiente tentar “comparar” sua resposta com a do seu colega, durante a realização do quiz!!); além de um banco disponibilizar bancos de questões servindo como uma rede social para nós, professores, trocarmos nossas atividades (neste caso, todo o material está em lingua inglesa, mas nossos quizzes serão em português).

Saiba mais em: http://socrative.com/

Para começarmos a nos preparar:

  1. Baixe o aplicativo STUDENT em seu celular (compatível com iOS Apps, Android Apps, Chrome Apps, Kindle Apps, Windows Apps)
  2. Você não precisa de uma conta, basta saber o nome da sala (fornecido pelo professor) e em lugar do seu NOME, vc colocará como identificação seu NÚMERO USP, ok?
  3. Nossa SALA chama-se MONETARIA
  4. A partir de hoje (28/07/2016) até nossa primeira aula da manhã e da noite, deixo um Quiz para teste, assim todos poderão saber se tudo está funcionando bem com seu aplicativo e aprender como acessar. Basta entrar na sala e vc já verá as perguntas do Quiz. Terminando, confirme e saia da sala, ok?
  5. Anotem as dúvidas/problemas para resolvermos em sala, combinado?

O Quiz “Esquentando os motores! Revisão de macro básica” está aberto no aplicativo! Sua nota deste teste não será contabilizada, é apenas um teste, mas fique atento para as questões que errar, pois elas cobrem conteúdo básico de macro I !!

Bom semestre a todos!!

 

.

Cultura Econômica, Ensinando Economia

Temas da Atividade Online – nossas aulas e o mundo!

.

A partir da próxima semana, iniciam-se os trabalhos dos grupos com os temas definidos abaixo. Esta atividade didática propõe que os alunos se aproximem do mundo real, conhecendo grandes números da economia brasileira e contextualizando-os em relação a países semelhantes em grau de desenvolvimento e a países desenvlvidos.

Como vai funcionar? Assim:

  1. Em sala (próxima aula) faremos a distribuição dos temas entre os treze grupos, por sorteio.
  2. A ordem e as datas de entrega da atividade já estão predefinidas na tabela abaixo:
    • tabela de temas e datas
  3. A cada data, sempre uma segunda-feira até meio dia, o grupo tem de enviar para o meu e-mail o texto do trabalho no seguinte formato:
    • Há duas datas, 02/maio e 06/junho, em que dois grupos estarão entregando trabalhos, para que possamos finalizar ainda na primeira quinzena de junho;
    • Deve apresentar conteúdo conceitual/teórico e não-opinativo, sobre o assunto, apresentadando dados e citando fontes, se houver menção à alguma notícia, site de referência ou artigos, os links devem aparecer ao final do texto – cuidado com plágio!!!
    • O texto deve buscar uma linguagem informal e que possa elucidar conceitos econômicos para um público amplo;
    • Deve conter no máximo 4.000 caracteres com espaço no formato doc;
    • figuras, gráficos e tabelas devem ter sua posição indicada no texto e ser encaminhados em separado do arquivo de texto e devem estar em formato jpeg;
  4. Cada estudante participará comentando e debatendo o texto/tema, indicando outras notícias relacionadas, e/ou ajudando a melhorar a explicação econômica do fenômeno. É importante que seja possível identificá-los nos comentários. 
  5. A janela temporal para comentários estará aberta da postagem do trabalho (segunda pela tarde) até o domingo seguinte, meia noite.
  6. Avaliação: 50% para a qualidade do texto, avaliada pela professora, e 50% pela participação individual ao longo do semestre, acompanhada e contabilizada pela Monitor Diego.

É isso!! Vambora??!!

.

 

Cultura Econômica, Ensinando Economia

Socrative: vamos aprender a usar?

.

Socrative é uma ferramenta desenhada para auxiliar os processos de aprendizado ativo, ajudando o professor a engajar seus estudantes e fornecendo feedback imediato das atividades realizadas por meio dele. Há vários usos possiveis, como: perguntas rápidas de saída, para acessar a compreensão do conteúdo da aula; atividades longas com várias etapas em que os grupos/estudantes vão recebendo feedback a cada etapa; e os quizzes, perguntas de múltipla escolha, para avaliar o acompanhamento dos alunos de conceitos básicos e informações ao longo das aulas.

Este será nosso uso em Macro I, faremos nossos quizzes utilizando esse aplicativo!! As vantagens são inúmeras: feedback rápido; sistematização dos resultados com percentual de acerto e de erros; aleatorização tanto das questões quanto das respostas (vai ser muito ineficiente tentar “comparar” sua resposta com a do seu colega, durante a realização do quiz!!); além de um banco disponibilizar bancos de questões servindo como uma rede social para nós, professores, trocarmos nossas atividades (neste caso, todo o material está em lingua inglesa, mas nossos quizzes serão em português).

Saiba mais em: http://socrative.com/

Dicas:

  1. Baixe o aplicativo STUDENT em seu celular (compatível com iOS Apps, Android Apps, Chrome Apps, Kindle Apps, Windows Apps)
  2. Você não precisa de uma conta, basta saber o nome da sala (fornecido pelo professor) e, como combinamos em sala, em lugar do seu NOME, vc colocará como identificação seu NÚMERO USP, ok?
  3. Nossa SALA chama-se MACRO2016
  4. A partir de hoje até quinta, em nossa aula, deixo um Quiz para teste, assim todos poderão saber se tudo está funcionando bem com seu aplicativo e aprender como acessar. Basta entrar na sala e vc já verá as perguntas do Quiz. Terminando, confirme e saia da sala, ok?
  5. Anotem as dúvidas/problemas para resolvermos em sala, ok?

O Quiz Teste Macro I está aberto no aplicativo! Não vale nota, ok?! Fique tranquilo… 😉

 

.

 

Ensinando Economia

Que tal prestar atenção no seu método de estudo?

Este também é um post que acho que pode te ajudar (novo aluno de Monetária!)

Aprender a aprender não é fácil… 😉

Que tal prestar atenção no seu método de estudo?.

Ensinando Economia

Qual é o seu estilo de aprendiz?

Trazendo de volta este post para os novos alunos de Monetária!

Qual é o seu estilo de aprendiz?.

Ensinando Economia, Nível de atividade

Grupo D – Produto e Desemprego (Plano Real até 2002)

.

“Contextualização: Até o Plano Real, adotado em 1994, a economia brasileira foi vítima das elevadas taxas de inflação. Em 1950, quando Juscelino Kubitschek foi eleito e propôs o Plano de Metas, com o famoso slogan dos “50 anos em 5” para impulsionar a industrialização brasileira, até então praticamente inexistente, e a construção de Brasília, empresas americanas e europeias começaram a entrar no Brasil e a estas foram concedidos vários benefícios, o que junto com a construção de Brasília acabou por endividar o Estado. Situação esta que fora controlada pela emissão monetária. Com a renúncia de Jânio Quadros e a posse de João Goulart a instabilidade política propiciou ainda mais o desequilíbrio macroeconômico que já estava em andamento com a inflação elevada e o problema das contas externas. Em 1964, quando os militares tomaram o poder a inflação fora de 90%, foi adotado PAEG (Programa de Ação Econômica do Governo) e a inflação começou a cair. Entre 1968 e 1973, período conhecido como “milagre econômico” quando o PIB do Brasil cresceu absurdamente junto a altas taxas de inflação. E em 1979, o choque do petróleo e o aumento das taxas de juros complicaram ainda mais a situação do país.

Em 1986, foi colocado em prática o Plano Cruzado, para tentar estabilizar os preços (congelamento de preços), após uma ano o governo pôs fim a esse congelamento, fazendo com que o câmbio se desvalorizasse e a inflação subisse novamente.

 Conjuntura: No fim de 1993, sob comando do até então Ministro da Fazenda, Fernando Henrique Cardoso, começa a tomar medidas para colocar em prática o Plano Real. O Plano Real consistiu na adoção de duas moedas por um determinado período de tempo. A moeda corrente doméstica (Cruzeiro Real), que continuaria sendo usada como meio de troca e uma moeda virtual (moeda indexada-Unidade Real de Valor=URV) usada como unidade de conta. Então os preços na moeda corrente continuariam a subir conforme a inflação, mas permaneceriam estáveis em relação a moeda indexada.

Em 1994, a URV mudaria seu nome para Real e o Cruzeiro Real deixaria de existir. Em quatro meses todos os preços que eram cotados em Cruzeiro Real encontraram seu valor de equilíbrio em URV, estando a economia liberta da inflação. Em 1999, com uma crise mundial houve uma forte desvalorização do Real e então o Brasil adota o regime de metas de inflação.

 D - Produto Interno Bruto (PIB)

D - PIB per capitaD - DesempregoD - Desemprego 2

Fontes:

http://databank.worldbank.org/data/views/reports/chart.aspx

 PAULANI, Leda Maria & BRAGA, Márcio Bobik. A Nova Contabilidade Social – uma introdução à Macroeconomia. São Paulo: Editora Saraiva, 4ª edição, 2012

 http://20anosdoreal.epocanegocios.globo.com/#anchor-u343″

 

.

Ensinando Economia

Qual é o seu estilo de aprendiz?

 

Pensar sobre esse tema e  tentar responder a essa pergunta é sempre bastante útil, já que a vida é um aprendizado constante,  mais útil  ainda quando as provas intermediárias estão para começar e o tempo parece não ser suficiente para se preparar bem (não parece, mas é – veja este post sobre método de estudo).

Há estudantes que aprendem melhor de forma sequencial, indo do particular para o geral, já outros compreendem melhor um tema quando têm uma visão mais global sobre ele, e depois exploram os detalhes particulares; também há diferenças entre a apreensão de conteúdos visualmente, associada a memórias visuais, e para estes estudantes, mapas conceituais, diagramas, fluxogramas, etc, ajudam muito no seu processo de aprendizagem; outros são mais verbais e aprendem melhor lendo e ouvindo. Uns, mais ativos, outros, reflexivos; ou ainda mais sensitivos, preferindo fatos, métodos bem estabelecidos a possibilidades e formulações matemáticas, por exemplos.

Para saber mais sobre os estilos de aprendizagem, consultem a fonte que utilizei nesse breve resumo:

LEARNING STYLES AND STRATEGIES dos professores Felder e Soloman, que produziram um indicador de estilo de aprendizagem a partir de um questionário com 44 itens, como um teste para classificar seu estilo dentro das quatro dimensões que citei.

Para fazer o teste: http://www.engr.ncsu.edu/learningstyles/ilsweb.html

Reporto aqui as observações que os próprios autores fazem, na página de apresentação do índice:

  1. The ILS results provide an indication of an individual’s learning preferences and an even better indication of the preference profile of a group of students (e.g. a class), but they should not be over-interpreted. If someone does not agree with the ILS assessment of his or her preferences, trust that individual’s judgment over the instrument results.
  2. A student’s learning style profile provides an indication of possible strengths and possible tendencies or habits that might lead to difficulty in academic settings. The profile does not reflect a student’s suitability or unsuitability for a particular subject, discipline, or profession. Labeling students in this way is at best misleading, and can be destructive if the student uses the label as justification for a major shift in curriculum or career goals. (A learning style preference also does not serve as an excuse for a bad grade on the student’s last physics test.)

Mas garanto que é, no mínimo, divertido!!

Eis aqui o meu resultado:

Learning Styles Scales – Roseli

.

Ensinando Economia, Inflação, Política Monetária

Grupo K: Inflação e Taxas de Juros nos EUA

.

Inflação e taxa de juros são duas variáveis de grande importância no escopo de atuação dos economistas.

A taxa de inflação

A inflação é uma elevação sustentada do nível geral de preços da economia conhecido como nível de preços. Ela é medida com base em índices que ponderam os bens e serviços mais importantes para a população e medem o crescimento desses preços. Se todos os preços (bens, serviços, salários, lucros etc.) aumentassem uniformemente, não haveria problemas. O problema é que a inflação mexe nos preços relativos, e assim quando a inflação é superior ao aumento de salários, por exemplo, há perda do poder de compra da população assalariada. A inflação pode ter uma causa monetária (impressão de dinheiro pelo governo), pode ter causas psicológicas (agentes ajustam o preço porque acham que aumentaram no futuro) e pode ter uma causa real (um desajuste entre a oferta e a demanda por bens e serviços).

Deflator do PIB e Índice de Preços ao Consumidor

Duas medidas são geralmente utilizadas como índices de preços: o deflator do PIB e o índice de preços ao consumidor. Apesar de não ser tão utilizado como os demais índices, o deflator é provavelmente o mais abrangente, pois seu cálculo utiliza informações indisponíveis aos demais indicadores, como os preços implícitos da administração pública. O cálculo do deflator é dado pela razão entre PIB nominal e PIB real. Já o IPC é calculado com base em uma cesta de bens e serviços consumidos por um grupo específico de habitantes, a inflação é medida pela variação nos preços do conjunto fixo de bens dessa cesta a cada período.

No contexto americano, podemos notar um nível de inflação razoavelmente estável ao longo das duas últimas décadas com algumas quedas em períodos de recessão como em 2001 e 2008-09. O IPC apresenta uma maior volatilidade em decorrência de sua metodologia de cálculo, evidenciando a sensibilidade das famílias em relação ao consumo nos períodos de crise.

K - IMAGEM 1

K - IMAGEM 2

Como inflação e taxas de juros se relacionam?

A taxa de juros é um instrumento utilizado para regular o nível de atividade econômica. Por exemplo, se há interesse em expandir o nível de atividade econômica a taxa de juros é reduzida. Ao contrário, se há um superaquecimento da atividade os juros são aumentados, para que o custo dos investimentos tornem-se mais elevados desencorajando projetos de investimento. Aumento dos juros tende a reduzir o ritmo de elevação dos preços, reduzindo a taxa de inflação.

A Taxa de Juros Americana

A taxa de juros americana (Federal Funds Rate) é determinada pelo mercado e influenciada pelo banco central americano (Fed) através de operações de open market, repondo ou retirando fundos ao volume disponível no mercado. Este procura alinhar a Federal Funds Rate efetiva com a taxa de juros pretendida. Esta taxa serve de referência para a economia americana sendo usada nos empréstimos feitos entre bancos e também nas aplicações feitas por estas instituições em títulos públicos federais. E sua alteração tem efeito sobre o valor das taxas para diversos produtos como hipotecas, empréstimos, juros de poupança entre outros.

Desde o final de 2008 o Federal Open Market Committee (FOMC), que equivale ao COPOM, tem estabelecido como alvo uma taxa de juros próxima a zero visando estimular a atividade econômica e a geração de empregos.

K - IMAGEM 3

K - IMAGEM 4

Análise da Conjuntura

Após a crise mundial o Fed manteve a taxa de juros próxima a zero afim de estimular o crescimento da atividade econômica. Em 2014 o país cresceu 2,4%, o que mostra uma tendência de recuperação aliado a queda na taxa de desemprego. A economia americana mostra tendência de crescimento mais moderado. A inflação também mantém-se baixa, o que estimula o consumo, e com aumento da criação de empregos pode haver um superaquecimento da economia, levando o Fed a aumentar a taxa de juros para trazer a economia ao equilíbrio, aumentando o nível de atratividade dos investimentos financeiros nos Estados Unidos.

O link a seguir ilustra os fatos apresentados: http://goo.gl/NDvPE2 

 

.