Ensinando Economia, Mercados Financeiros, Política Monetária

G-A: Multiplicador Monetário e os Agregados Brasileiros

Para entendermos o multiplicador monetário, é importante destacar que a quantidade de moeda ofertada em uma economia corresponde à soma do total de papel moeda em poder do público mais os depósitos à vista nos bancos comerciais e que a base monetária é o volume de moeda em circulação decidida pelo Banco Central.

Revistos esses conceitos, temos que o multiplicador monetário (m) é a relação entre a oferta de moeda (Ms) e sua quantidade em circulação dentro da economia (H). Assim, o multiplicador monetário decorre do comportamento do Banco Central ao determinar sua política de emissão, dos bancos comerciais e seus recursos em depósito, e também, da população ao realizar suas escolhas de poupar ou gastar. Para efeito de cálculo, temos: m=Ms/H.

Dessa forma, quanto maior forem os fatores que influenciam a base monetária, como reservas voluntárias e compulsórias, as taxas de redesconto (que é o valor cobrado pelos empréstimos do Banco Central aos bancos comerciais para que estes mantenham sua liquidez) e a propensão do público a poupar, menor será o multiplicador monetário.

Os Agregados Monetários no Brasil e seu comportamento nos últimos 10 anos

Os agregados monetários da economia brasileira, basicamente, são compostos pelos meios de pagamento e pela base monetária. São eles:

M0 (Base Monetária): Inclui o papel moeda emitido pelo governo em poder do público e as reservas mantidas pelos bancos comerciais, sejam elas obrigatórias ou voluntárias. Pode ser entendida como o dinheiro com poder de multiplicação, visto que aumentos em M0 leva a aumentos proporcionalmente maiores na oferta total de moeda, por isso é, também, conhecida como “Moeda de Alta Potência”.

M1: Refere-se ao dinheiro emitido pelo Banco Central que o público decide manter consigo, mais os depósitos que as pessoas decidem manter em suas contas correntes nos bancos comerciais, chamadas depósitos à vista.

M2: É composto por M1 mais os depósitos para fins de investimento, entre os quais citamos: depósitos especiais remunerados, depósitos de poupança, e títulos emitidos por instituições depositárias.

M3: Compreende todo o M2 mais as quotas de fundos de renda fixa (parcela das participações de investidores em fundos de investimentos) e de operações compromissadas com a SELIC, que ocorrem quando o vendedor assume o compromisso de recomprar os títulos que “emprestou” em uma data futura e com o pagamento de uma remuneração já acordada.

M4: Por fim, o M4 corresponde ao M3 mais os títulos públicos de alta liquidez. No caso brasileiro, são os títulos do Tesouro Direto, que apresentam liquidez diária.

Para entendermos como esses agregados se comportam ao longo do tempo, podemos analisar a variação de preços de títulos públicos, taxa de juros e oferta de moeda, com seus respectivos efeitos sobre o mercado. Quando olhamos para o processo de oferta de moeda, observamos a política monetária e como ela afeta o multiplicador e a base monetária.

Em nossa análise sobre os últimos 10 anos, daremos ênfase ao M1, pois todos os demais agregados são sequências de informações desse agregado 1 com algum outro instrumento financeiro. Assim, ao observar os gráficos M0, M1, M2, M3 e M4, percebe-se que entre 2008 e 2018, os agregados tiveram crescimento em quase todos os anos, caracterizando um período de estímulo ao consumo e de crescimento da economia.

Na Base Monetária (H), os fatores que explicam essa variação entre os períodos mencionados, destacam-se políticas expansionistas no mercado aberto de títulos públicos e o aumento dos depósitos à vista das instituições financeiras. Dessa forma, quando o BACEN realiza uma política de compra de títulos temos um aumento de H, ou seja, um aumento da oferta de moeda na economia.

Logo, M1 aumenta, os investimentos são realocados elevando a demanda por títulos, o que ocasiona um aumento no preço e, consequentemente, a queda na taxa de juros dos títulos, visto que Preço e Taxa de juros possuem relação inversa.

.

Referências:

Grupo A – Macro 2019