Ensinando Economia, Nível de atividade

G-E: Componentes do dispêndio doméstico brasileiro

O cálculo do PIB inclui apenas bens e serviços finais, ou seja, o serviço intermediário é descontado para evitar dupla contagem. Isso significa, por exemplo, que para calcular a produção de pães não é contabilizado o consumo da farinha utilizada no preparo, uma vez que seu valor já estará embutido no valor do pãozinho.

O cálculo do PIB, no Brasil, é feito sob três dimensões: produção, demanda e renda. Assim, explicitamos neste post a ótica da demanda, em que o PIB corresponde à despesa interna total do país, que inclui a despesa das famílias em bens de consumo, as despesas do Governo em bens de consumo, a despesa das empresas com investimento em bens de capital (mais as variações de estoque) e as despesas relacionadas às exportações líquidas (exportação – importação). Frente a vários conceitos, explicaremos a seguir o que eles significam.

O consumo consiste nos bens e serviços adquiridos pelas famílias, ou seja, é onde as pessoas gastam seu dinheiro. Ele pode ser dividido em 3 componentes. Sendo eles os bens não duráveis (alimentos e vestuário), os bens duráveis (como automóveis e eletrodomésticos) e os serviços (trabalhos realizados por empresas ou indivíduos destinados aos consumidores, como, por exemplo, uma consulta médica ou um corte de cabelo).

Já o investimento é o gasto das empresas em capital fixo, isto é, com maquinário, fábricas, etc. e em estoques, que são a parcela dos bens produzidos que não foram vendidos em um determinado momento. O investimento é idêntico à poupança, isto é, o dinheiro que os agentes da economia (famílias, empresas, governo e setor externo) deixam de gastar em um determinado momento se tornam o dinheiro que as empresas usam para realizar seus investimentos, por meio da ação do sistema bancário.

Além disso, temos os gastos do governo, os quais se referem aos bens e serviços adquiridos pelos governos federal, estadual e municipal. Esses bens podem variar de aviões a suprimentos de escritório. Já os serviços incluem os prestados pelos funcionários públicos.

As exportações líquidas são obtidas por meio da diferença entre exportações e importações. As importações são as compras de bens e serviços estrangeiros pelos consumidores, pelas empresas e pelo governo. Já as exportações, são as compras de bens e serviços do país por estrangeiros.

Temos que em determinados momentos a produção e a venda dos bens não são equivalentes. Pode ser que não seja vendido tudo aquilo que foi produzido (acumulação de estoque), com resultado positivo. Ou o contrário, que a venda ultrapasse a produção (queda de estoque), com resultado negativo. Dessa forma, haverá uma variação nos estoques, que consiste exatamente dessa diferença entre bens que foram produzidos e bens que foram vendidos em um dado período de tempo.

A seguir, temos a composição do PIB brasileiro em 2004, 2008 e 2016.

O consumo das famílias tem forte peso no PIB brasileiro, correspondendo em torno de 60% do total. Ou seja, mais da metade do que é produzido no Brasil depende da demanda das famílias. A demanda das famílias é o componente mais importante do bolo. É ele que sustenta o crescimento do setor de serviços, o principal segmento do PIB pelo lado da oferta.

O investimento é um item essencial para a recuperação da economia. Podemos notar a variação do investimento na tabela apresentada acima, a qual teve uma significativa queda do ano de 2008 para o ano de 2016.

Os gastos do governo giram em torno de uma média de 20%, nos anos apresentados. Assim, para ter uma visão mais significativa, é preciso analisar se houve uma política fiscal expansionista (redução de tributos e aumento dos gastos) ou contracionista (conter as finanças do governo a fim de melhorar as contas públicas).

As exportações líquidas tiveram uma queda do ano 2004 para os demais anos apresentados. Significando um aumento percentual das importações em relação às exportações. Já o investimento em estoques corresponde a uma pequena parcela do PIB girando em torno de 0,5 a 1%.

.

https://ww2.ibge.gov.br/home/estatistica/economia/contasnacionais/2008/defaulttabzip.shtm. Acesso em: 24 mai. 2019.

https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv47747.pdf. Acesso em: 24 mai. 2019.

https://www.ibge.gov.br/estatisticas-novoportal/economicas/contas-nacionais/9052-sistema-de-contas-nacionais-brasil.html?=&t=resultados. Acesso em: 24 mai. 2019.

https://br.advfn.com/indicadores/pib/calculo. Acesso em: 24 mai. 2019.

BLANCHARD, Oliver. Macroeconomia. 5. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2011.

GRUPO E – Macro 2019