Mercados Financeiros, Política Monetária

D-Ecec: FED e Banco Central Brasileiro: Uma comparação entre suas estruturas e ferramentas de Políticas Monetárias

.

Segundo Mishkin, a estrutura do FED tem a seguinte composição:

d-ecec-imagem-1

  • Board of Governors – BoG: Composto por 7 diretores aprovados pelo senado, sendo todos sendo membros FOMC. Indicam 3 diretores para cada FRB que não tenham ligação com o sistema bancário. É responsável por definir a taxa de redesconto e a taxa de reservas compulsórias.
  • Federal reserve banks – FRBs (12 unidades): Pareceria público-privada, sendo a parte privada bancos comerciais que compram ações dos FRBs. São responsáveis pela emissão de moeda e pela coleta de informações que orientam as políticas monetárias. A participação privada indica 6 diretores para cada FRB, sendo 3 banqueiros e 3 do setor de bens e serviços.
  • Federal Open market Committee – FOMC: Composto pelos 7 Governors e por 5 diretores dos FRBs. O presidente do BoG é também presidente do FOMC. É órgão responsável pelas decisões quanto a operações de open market.

Atribuição de atividades no sistema financeiro do Banco Central Brasileiro:

d-ecec-imagem-2

  • Conselho Monetário Nacional (CMN) é o órgão superior do Sistema Financeiro Nacional e tem a responsabilidade de formular as políticas monetárias e de crédito, objetivando a estabilidade da moeda e o desenvolvimento econômico e social do País.
  • Comissão Técnica da Moeda e do Crédito (Comoc) atua como órgão de assessoramento técnico na formulação das políticas monetárias e do crédito do País.
  • Banco Central do Brasil é o principal executor das orientações do Conselho Monetário Nacional, dentre suas funções estão:

                   → realizar operações de redesconto e empréstimo às instituições financeiras;

                   → receber recolhimentos compulsórios e voluntários das instituições financeiras;

                   → efetuar operações de compra e venda de títulos públicos.

  • Comitê de Política Monetária (Copom) Tem objetivo de estabelecer as diretrizes da política monetária e de definir a taxa de juros, esta é fixada na reunião do Copom é a meta para a Taxa Selic (taxa média dos financiamentos diários, com lastro em títulos federais, apurados no Sistema Especial de Liquidação e Custódia)

 

Comparando ferramentas de políticas monetárias (Bacen x FED)

 

  • Taxa de redesconto – Enquanto nos EUA é um Instrumento de Pol.Monetária importante, no caso brasileiro isso não acontece. O Sistema Pagamentos Brasileiro possibilita que os desequilíbrios bancários sejam sanados entre os próprios bancos através de títulos de curtíssimo prazo (1 dia) chamados Certificados de Depósito Interbancário (CDIs). Atualmente, a taxa de redesconto determinada pelo FED está fixada em 1%. Já no caso brasileiro, a taxa de redesconto é baseada na taxa básica de juros (Selic) mais 1%.
  • Reservas Compulsórias: Fazendo um comparativo sobre a taxa de depósitos compulsórios à vista, temos uma discrepância nas apresentada pelo BACEN e pelo FED. Enquanto o primeiro obriga bancos comerciais e outras instituições financeiras a depositarem 45% de suas captações em depósito à vista, o FED, por lei, cobra uma taxa que pode variar de 7% à 22%, permanecendo normalmente perto dos 10%.
  • Open market: Ambos FED e BCB operam com títulos pós (Treasury Inflation Protected Bonds; NTN-B)  e pré-fixados (Treasury Bonds; LTN e NTN-F). As operações podem ser de caráter temporário, com compromisso de recompra visando ajustar a oferta de moeda no curto prazo, ou permanente, visando ajustes em resposta a movimentos econômicos de longo prazo.

Sistemas de metas de inflação:

Desde 1995 o Brasil utiliza o sistema de metas de inflação com bandas cambiais (Houston, we have a problem!!) para buscar a manutenção das taxas de inflação em níveis baixos. Após a definição da meta CMN,, o Banco Central brasileiro possui total responsabilidade e independência operacional para conduzir a política monetária e atingir a meta;

Já nos EUA, o FED adotou a política de meta de inflação após o ano de 2012, visando, além do controle de preços, que a economia retorne ao nível natural de desemprego.”
Referências:

http://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/bitstream/handle/10438/568/1163.pdf?sequence=2&isAllowed=y

https://www.newyorkfed.org/medialibrary/media/markets/omo/omo2015-pdf.pdf

http://www.bcb.gov.br/pre/composicao/composicao.asp

http://www.bcb.gov.br/htms/copom/a-hist.asp

http://www4.bcb.gov.br/pec/gci/port/focus/faq%2012-dep%C3%B3sitos%20compuls%C3%B3rios.pdf

http://www.fgv.br/professor/fholanda/Arquivo/Sistfin.pdf

https://www.federalreserve.gov/monetarypolicy/fomc.htm

MISHKIN, F. “Economics of Money, Banking and Financial Markets, 10th Edition.”

 

.