Ensinando Economia

Experimento de Ilhas de Lucas – resultados

 

Realizamos o experimento fora do horário de aula, por conta do andamento do conteúdo, e por esse motivo definimos que essa atividade renderia uma nota adicional à segunda prova. Muitos se animaram, e a ideia era essa mesmo!!

Trabalhamos em grupos de 5 ou 4 e as regras para a atividade estavam claras:

“Prêmio: todos os grupos que realizarem corretamente todas as etapas receberão 0,5 ponto na prova P2 e os que responderem corretamente a pergunta sobre os resultados ao final do experimento, mais até 0,5 ponto!!”

Sendo a pergunta final a seguinte:

  • Considere os períodos em que você incorretamente estimou o nível de preços. Quantas horas você deveria ter trabalhado em cada um desses períodos se suas estimativas de nível de preços fossem corretas? Como as surpresas no nível de preços (isto é, as diferenças entre o nível de preços observado e o estimado) afetou sua decisão de trabalho e como isso afetaria o produto da sua ilha? E do conjunto de ilhas?

Preparar esse experimento deu um trabalho e tanto para mim e para o Gabriel, pois todos os salários nominais precisaram ser definidos a priori para manter a consistência interna do experimento e produzir o nível de preços verdadeiro adequado, que pudesse revelar os efeitos dos anúncios na formação das expectativas das ilhas. E eu os alertei: “Esse experimento não é para amadores, é necessário pensar e tomar decisão considerando o contexto descrito nas regras do experimento!!”.

Porém, qual não foi minha surpresa ao constatar que nenhum grupo realizou as contas adequadamente, e não é questão de aproximação, pois notem que as três primeiras rodadas deveriam produzir resultados exatos!! Se todos estivessem prestando atenção durante a realização do experimento e algum grupo tivesse cometido um erro que pudesse comprometer o cálculo do nível de preços verdadeiro (já que todas as ilhas visitaram seus vizinhos e coletaram os preços de seus produtos) qualquer um dos outros grupos poderia ter observado isso e reportado um possível problema. Durante o experimento, o que notei foi uma total falta de organização do trabalho dentro de cada grupo, sem divisão de trabalho e sem compromisso com seu próprio papel e o resultado disso para o grupo – era como a simples presença ali já garantisse meio ponto na nota da P2…

O resultado está aqui:

Preços observados e Notas- LUCAS

Nenhuma ilha realizou corretamente todas as etapas do experimento, portanto nenhuma recebeu o meio ponto “garantido” – tenham certeza: isso foi muito mais decepcionante para mim que para vocês… Observem que nem mesmo um possível erro de um grupo em reportar adequadamente o preço do seu produto pode ser o responsável por tais resultados, visto que para cada rodada há resultados dferentes entre os grupos.

Quanto à pergunta final, parabenizo à Ilha A que produziu uma resposta consistente com a estrutura econômica do experimento, DESCRITA nas regras!! Agradeço também aos que se esforçaram para realizar a atividade adequadamente, mesmo tendo dificuldades (de qualquer ordem, inclusive ler e seguir instruções).

É isso.

 

.

Ensinando Economia, Política Monetária

Inovações Didáticas – Experimentos

 

Lecionar disciplinas fora da área de métodos quantitativos propicia a implementação de algumas interessantes inovações didáticas. No presente semestre, ao lecionar Economia Monetária (minha área preferida ;-)), posso recolocar em prática algumas estratégias de ensino e de avaliação que tenho usado nos últimos anos e compartilho aqui com possíveis interessados, em três partes.

Uma delas é o uso de experimentos/jogos para introduzir conceitos econômicos abstratos. Reporto aqui trecho de uma resenha que publiquei para esclarecer o funcionamento dessa estratégia:

SILVA, Roseli ; BATISTA-FERREIRA, N. N. . Resenha Bibliográfica: BECKER, William E.; WATTS, Michael; BECKER, Suzzane R. (Ed.). Teaching Economics: more alternatives to chalk and talk. Cheltenham-UK: Edward Elgar Publishing Limited, 2006. 225 p.. Estudos Econômicos (USP. Impresso), v. 40, p. 967-973, 2010.

 

“Um exemplo clássico de jogo de leilão duplo[1] para pontuar a importância didática do uso de experimentos, e indica fontes já notoriamente conceituadas sobre o assunto[2]. Os apontamentos de Hazlett indicam que a eficácia dos jogos como método pedagógico requer que, além da sua simples aplicação, o professor utilize os dados gerados para uma profunda discussão com os alunos. No decorrer do curso, o professor pode recorrer à experiência do jogo para continuar aprofundando outros conceitos.

Nesta discussão os conceitos econômicos relevantes devem ser deduzidos pelos próprios alunos através da experiência vivida. O professor deve conter-se e ter atenção suficiente com a linguagem utilizada para não influenciar os alunos, levantando questões capazes de induzir o raciocínio deles. Dado seu fim pedagógico, é importante que o jogo ocorra sempre antes da apresentação dos conceitos econômicos e não depois. Segundo a autora, quando o jogo é aplicado após a explicação dos conceitos, os alunos questionam se os resultados alcançados são efetivamente válidos.

A autora aponta que, para os jogos em sala de aula, vale a mesma regra fundamental dos experimentos de pesquisa econômica: a existência de incentivos. Em cursos em que uma parte razoável dos conceitos será transmitida através da aplicação de jogos é natural que os ganhos sejam computados por meio de pontos que comporão a média do aluno no curso.

Dentre os “do´s and don´ts” referentes a ambos capítulos pontuamos: a clareza das instruções é muito relevante para o sucesso do jogo, a discussão com os alunos deve ocorrer logo após a finalização do jogo ou o mais breve possível (na mesma aula ou no inicio da próxima); a avaliação do curso deve conter questões que abordem o que os alunos aprenderam a partir dos jogos…”

[1] Para análises mais detalhadas sobre o uso de jogos em sala de aula ver Holt e McDaniel (1998) e Holt (1999).

[2] Tais como periódicos, sites de suporte a execução da atividade didática como também programas voltados especificamente para inovações na área de ensino em economia. Ver: http://www.marietta.edu/~delemeeg/games/ e http://people.virginia.edu/~cah2k/