Mercados Financeiros

C-Ecec: PRINCIPAIS FONTES DE FUNDOS EXTERNOS DAS EMPRESAS BRASILEIRAS NÃO-FINANCEIRAS

.

A estrutura do sistema financeiro comunica a alocação de recursos entre agentes na economia. Assim, Frederic S. Mishkin apresenta 8 fatos estilizados sobre a estrutura financeira pelo mundo que nos ajudam a responder o seguinte questionamento: “Quais são as principais fontes de fundos externos das empresas brasileiras não-financeiras?”, destacaremos 3 fatos:

  1. Ações não são a fonte mais importante de recurso externo de financiamento para empresas;
  2. A emissão de título de dívidas e valores mobiliários não é a primeira opção em que as empresas financiam suas operações;
  3. Intermediários financeiros, particularmente bancos, são as mais importantes fontes de recursos externos usados para financiar ativos.

O autor apresenta dados do artigo de Hackethal e Schmidt (2004) que exemplificam de forma empírica esses fatos, mostrando e comparando os dados – coletados junto aos Bancos Centrais dos respectivos países – da fonte de recursos externos para empresas não financeiras nos Estados Unidos, Alemanha, Japão e Canadá. O resultado do estudo pode ser verificado a seguir:

C-Ecec-Gráfico 1

Ao elaborar uma análise para empresas brasileiras foi preciso buscar outra fonte de informação, uma vez que o Banco Central disponibiliza a maioria dos dados desse gênero sob a ótica dos investidores.

Um levantamento realizado pelo Banco Mundial através da Enterprise Surveys construiu uma amostra sobre as fontes externas de financiamento de empresas do setor privado de vários países. A amostra coletada para o Brasil em 2009, apresentadas no Gráfico 2, foi feita com 1802 empresas em sua maioria de médio porte compreendendo diversos setores, como: alimentício, têxtil, vestuário, químico e produtos químicos, maquinários e equipamentos, mobília, manufatura, varejo, TI e serviços de TI e outros serviços.

C-Ecec-Gráfico 2

Verifica-se que 92% dos recursos externos no Brasil são provenientes de intermediários financeiros (bancos e fornecedores de crédito), assim nos dando algumas evidências de que o fato estilizado apontado por Mishkin, que indica que intermediários financeiros são a fonte externa mais importante usados para financiar ativos pode também ser observado no mercado brasileiro. O fato sobre o mercado de títulos não ser a primeira opção de fundos externos de financiamento não pode ser observado empiricamente uma vez que não existem dados dessa variável. De forma geral, percebe-se uma convergência dos dados do estudo em relação à teoria, porém é importante ressaltar que a amostra utilizada é bastante restrita para análises e definições.

É válido lembrar que as metodologias da Enterprise Surveys e apresentada pelo Mishikin diferem. Além disso, enquanto os dados do artigo apresentados no livro são resultado de uma média do período de 1970-2000, a pesquisa do Banco Mundial, apresenta dados apenas do ano de 2009. Outra observação importante é a falta de informação sobre a porcentagem referente a fonte de recursos provenientes do mercado de títulos. Dessa forma, dificultando a comparação entre os dados encontrados para o Brasil e os apresentados pelo livro.

Uma fonte de recursos em destaque na economia brasileira é o Banco de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES.  Ainda que as instituições financeiras tenham um papel de destaque no fornecimento de crédito para financiar os investimentos das empresas na economia, estas encontravam dificuldade para obter opções de financiamento de investimento produtivo no longo prazo. Os motivos abrangem o alto risco, baixo retorno e incertezas. Nesse cenário o papel do BNDES teve grande destaque, sendo sua principal função apoiar projetos de investimentos que contribuam para o crescimento do país, concedendo empréstimos de longo prazo com taxas de juros mais competitivas que as taxas de mercado.    Nos últimos cinco anos realizou um desembolso médio de aproximadamente 163 bilhões de reais destinados a financiamentos de pequenas, médias e grandes empresas. (COUTO e TRITIM, 2012).

 

REFERÊNCIAS

http://www.akb.org.br/upload/011020121854415026_Ana%20Cristina%20Lima%20Couto.pdf

http://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=254463  

http://www.enterprisesurveys.org/data/exploreeconomies/2009/brazil

 

.