Mercados Financeiros

G1-Eco: Os mercados de capitais e crédito brasileiros: características, volume e taxas

Atividade didática On-Line realizada pelos alunos da Turma de Economia Monetária

 

Para analisarmos os mercados de crédito e capitais brasileiros temos que primeiro definir a responsabilidade de cada um na economia em geral. O mercado de crédito tem a função de atender agentes financeiros com investimentos de curto e médio prazos e concentrar credores e devedores de forma que haja transação de capital entre as partes, principalmente empréstimos para famílias e empresas. Já o mercado de capitais, segmentado em primário e secundário, permite a captação de fundos e gera liquidez aos títulos emitidos pela oferta de valores mobiliários, suprindo a necessidade dos agentes de investimentos de médio a longo prazo para capital de giro e fixo do mercado.

No Brasil, há uma grande concentração no mercado de crédito, sendo que quase 80% deste está “nas mãos” de apenas quatro bancos. Isto acontece devido aos atos de fusão e aquisição que ocorreram nos últimos anos, além do aumento da competição. Esta concentração, contudo, não aparenta se opor ao crescimento do mercado, já que o saldo de operações de crédito cresceu em 75,26% desde 2000. Da mesma forma, observamos uma grande concentração do índice de ações em poucas grandes empresas no mercado de capitais, além de pouca liquidez da maior parte das ações e uma grande volatilidade por conta da grande tendência especulativa do mercado.

As taxas incidentes diferem entre os mercados de capitais e créditos. O primeiro é avaliado através de uma taxa de corretagem que vale sobre o serviço ou o valor posto em transação. Já no mercado de créditos observamos o spread bancário, diferença entre a taxa de juros exigida do devedor e a paga ao emprestador. Temos a Selic como a taxa básica de mercado e extremamente influente na tomada de decisão de investimentos.

Destacando a importância do crédito, atualmente o BNDES trabalha com linha de créditos que beneficia pequenas e médias empresas. O intuito da liberação de crédito está na influência destes ocupantes do mercado em gerar emprego na economia, cerca de 54%. Além do spread que ficará a cargo da instituição bancária, a Taxa de Juros de Longo Prazo incidirá sobre o valor emprestado, limitado a R$3,6 milhões ao ano. O BNDES exerce aqui importante papel de Intermediário Financeiro, sem este a economia sofreria de ineficiência. É por meio deste “agente” que emprestadores encontram devedores e geram o fluxo do mercado, beneficiando-se de baixos custos de transação, menor seleção adversa e risco moral.

O saldo do crédito do sistema financeiro (Pessoa física e jurídica) chegou a 49,6% do PIB brasileiro, em dezembro de 2016, somando pouco mais de 3 trilhões de reais. No mesmo período, o volume da Bovespa não chegou nem à 3% do PIB, sendo este cerca de 167 bilhões de reais. Ao comparar com o exterior, vemos que os dois mercados estão abaixo da média mundial. Por exemplo, o crédito interno fornecido pelo setor financeiro em relação ao PIB no Brasil foi de 111,2% em 2016, enquanto a média mundial foi de 177,4% (como base de comparação, a porcentagem americana foi de 242,6% e a alemã foi de 134,2%). Outro exemplo é a BM&F Bovespa que é 23 vezes menor que a bolsa de Nova Iorque e ocupa apenas a 20º posição no ranking das maiores bolsas de valores do mundo, em relação à capitalização de mercado.

 

Referências (acessadas em 28 de agosto de 2017):”

https://www.oeconomista.com.br/bndes-lanca-linha-de-credito-para-pequenas-e-medias-empresas/

http://ibmec.org.br/empresario/o-que-e-mercado-de-capitais/mercado-de-capitais-no-brasil/

https://www3.bcb.gov.br/sgspub/localizarseries/localizarSeries.do?method=prepararTelaLocalizarSeries

http://data.worldbank.org/indicator/FS.AST.DOMS.GD.ZS?

http://www.visualcapitalist.com/20-largest-stock-exchanges-world/

http://g1.globo.com/economia/noticia/itau-bradesco-bb-e-caixa-tinham-quase-80-do-mercado-de-credito-ao-fim-de-2016.ghtml

https://www.bcb.gov.br/pec/wps/port/TD377.pdf

http://www.portaldoinvestidor.gov.br/menu/primeiros_passos/Entendendo_mercado_valores.html

ASSAF, A. Mercado Financeiro. 12º ed. São Paulo: Atlas, 2014.

 

Autores: GRUPO J

.

 

Mercados Financeiros

C-ECO: Problema de agência e concentração do mercado interbancário

.

Principais problemas de agência enfrentados pelos mercados de capitais brasileiro

É característico do mercado de capitais moderno a relação dos direitos de propriedade e de controle de uma companhia. Muitas vezes, a propriedade da empresa, pulverizada entre vários acionistas, apresenta um grande descolamento da capacidade de comando das diretrizes e objetivos. Isto faz com que diretores e acionistas menores apresentem objetivos distintos quanto ao futuro da companhia, caracterizando um dos problemas de agência do mercado de capitais brasileiro, o dilema do agente-principal.

c-eco-imagem1

É constatado que existe certo grau de expropriação de benefícios privados do acionista minoritário em prol do acionista majoritário. Parte desta expropriação decorre da formação da estrutura de capital no Brasil, com divisão de papeis em dois grandes grupos de ações: ordinárias, ligadas ao direito de decisão, permitindo o voto; preferenciais, que priorizam o direito sobre o cash-flow.

Observando as sete maiores firmas em valor de mercado com ações transacionadas na bolsa, vemos uma grande concentração das ações ordinárias.

c-eco-imagem2

Com a concentração de blocos de ações em que os diretores sejam os donos da companhia, há incentivo à eficiência e maximização do lucro, que é uma boa sinalização ao mercado. Porém, quando o gestor com plenos poderes gere a empresa de acordo com seus interesses, temos de fato o descolamento de objetivos entre controlador e investidor. É neste contexto que se insere o dilema do agente-principal: a assimetria de informação entre as partes torna o mercado ineficiente.

O Brasil possui recursos que visam mitigar o gap de informação, porém, notamos pouca utilização destes em relação a omissão e falta de padronização das informações, sobretudo sobre os negócios das empresas, que induz os investidores a erros nos valores de mercado.

Os problemas de agência, em especial aqueles no contexto da assimetria de informação, são grandes entraves para o desenvolvimento de um mercado eficiente de longo prazo que seja responsável pelo investimento produtivo do país.

Concentração do mercado interbancário brasileiro e o impacto disso sobre a redução dos custos de transação

Com o início do Plano Real, em 1994, o Banco Central adota uma nova legislação e supervisão bancária, reduzindo o  número de bancos, devido à uma série de fusões, incorporações e liquidações ocorridas. Começando, assim, a apresentar tendências de aumento de concentração.

É possível analisar o índice de concentração bancária através do índice de Herfindahl-Hirschman (HH), que considera todos os bancos que fazem parte da amostra e atribui maior peso àqueles que possuem maior representatividade, sendo considerado, assim, um indicador consistente para a análise da concentração de mercado.

c-eco-imagem3

O gráfico a seguir representa a evolução do índice HH do Brasil de 2004 a 2014.

c-eco-imagem4

A elevação bancária a partir de 2007 ocorreu pois, com o objetivo de aumentar seus ganhos de escala e poder de mercado, visando competir no mercado internacional, os grandes bancos no mercado nacional realizaram uma série de fusões e aquisições. Além disso, o aumento das restrições à entrada de novos concorrentes em função da existência de economias de escala, técnicas operacionais complexas e investimentos em tecnologia também aumentam o grau de concentração.

Segundo Mishkin (2012), sabemos que há dois fatores que reduzem os custos de transação por investidor: 1) economias de escala, pois o custo fixo é dissolvido entre as transações; 2) alto grau de especialização, pois permite maior eficiência do uso e desenvolvimento de técnicas que visam reduzir os custos de transação e tornar serviços de maior liquidez mais acessíveis ao público. Assim, é possível concluir que a elevação da concentração bancária brasileira alavancou ganhos de escala, reduzindo os custos de transação e aumentando a competitividade e eficiência dos maiores bancos.

Referências

Aldrighi, Dante Mendes; Neto, Roberto M. “Estrutura de propriedade e de controle das empresas de capital aberto no Brasil.” Revista de Economia Política 25.2 (2005): 115-137.

Barbosa, Roberto Rodrigues. “Análise da concentração do setor bancário brasileiro entre os anos de 2004 e 2014.” (2015).

MISHKIN, F. “Economics of Money, Banking and Financial Markets, 10th Edition.”

 

.

 

Mercados Financeiros

ECO P – A Crise Financeira de 2007-2008

 

“A mais recente grande crise do capitalismo foi em 2007, emergida do mercado de derivativos. Diversas interpretações teóricas foram feitas para tentar explica-la, mas é importante investigar o contexto e os tipos de estruturas que deram sustento a mesma.

A crise se dá na alavancagem estrondosa no setor imobiliário, em que indivíduos que nada acrescentavam para o valor do imóvel, conseguiam dívidas, no mercado de créditos, de até 100% no valor de suas casas. Assim, repetiam o processo ad infinitum, dada a certeza que tinham na valorização, ou seja, aqui está caracterizada a bolha especulativa. Porém, é importante destacar que o consumidor de hipotecas é apenas um dos agravantes da crise. Na realidade, as raízes da problemática se encontram nas estruturas do mercado financeiro e das agências reguladoras norte-americanas.

Os estímulos creditícios, devido aos baixos juros americanos, desregulação do mercado e lobbys do empresariado com as agências reguladoras, geraram um mecanismo perverso de especulação, onde havia pouquíssima preocupação das empresas com a produtividade e muita preocupação com a alavancagem financeira, a fim de aproveitar a bolha instituída. Havia um total direcionamento, irresponsável, das empresas para o curto prazo, ignorando as consequências futuras, apoiadas pelo favorecimento dos governantes, desde décadas anteriores. Uma característica fundamental era a presença de conflitos de interesses das firmas de rating, as quais recebiam lucro de seus próprios clientes, favorecendo a especulação no sentido mais pejorativo.

Ao se iniciar como uma crise de crédito convencional e aos poucos tomar a forma de uma crise de liquidez e solvência, destaca-se o papel crucial da securitização de créditos que passava a sensação de diversificação do risco. Em outras palavras, gerava-se a sensação de segurança do mercado imobiliário (operações de crédito de extremo risco eram transformadas em títulos bem avaliados).  Os derivativos financeiros, neste processo, também alteraram as escolhas de portfólio para aproveitar a certeza da subida dos preços dos imóveis, e alterando totalmente a estrutura de balanço e de capital das firmas norte-americanas.

Os juros, sendo sucessivamente reprimido de maneira artificial deixaram de representar um equilíbrio e passaram a representar uma oportunidade de se financiar supostamente sem risco, até que a bolha estourasse. Uma demonstração disso é o excesso do endividamento privado americano onde é possível distinguir o efeito crise claramente:

eco p 2

Do ponto de vista teórico Martim Wolf, citando a obra de Minsky explica a crise: “Um longo período de rápido crescimento, baixa inflação, taxas de juros baixas e estabilidade macroeconômica estimulou a complacência e uma maior disposição de assumir risco. A estabilidade levou à instabilidade”. Ou seja, os agentes passam a ser tomadores de mais risco favorecidos pelo ambiente econômico. A obra de Minsky pode ser vista como interpretação da teoria da preferência pela liquidez de Keynes.

Do ponto de vista crítico, é importante citar que esta não é uma crise pura do capitalismo, há a participação do estado com os estímulos creditícios decenais, com as agências reguladoras que atuavam sob um estímulo enorme de não atuar corretamente no mercado, concedendo privilégios e favorecendo grandes companhias.

As consequências da crise são óbvias, uma queda brusca nas taxas de crescimento do PIB no mundo inteiro, seguido de baixas taxas pós-crise devido ao intervencionismo crescente desse tipo de período, como vemos no gráfico abaixo:

eco p 1

  

http://www.ie.ufrj.br/images/pos-graducao/ppge/FernandoFerraz.pdf

http://g1.globo.com/economia/noticia/2013/10/entenda-crise-da-divida-dos-eua-e-suas-consequencias

http://www.newyorker.com/magazine/2008/02/04/the-minsky-moment

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/dinheiro/fi0510200815

http://ricardogallo.ig.com.br/index.php/2010/06/17/o-que-e-desalavancagem

 

.

Mercados Financeiros

ECEC M – A Crise de 2008

 

“Para entender a crise de 2008, primeiramente precisamos entender quando uma crise financeira ocorre. Segundo Mishkin, “uma crise financeira ocorre quando um aumento na assimetria de informação, a partir da ruptura do sistema financeiro, causa problemas severos de seleção adversa e de risco moral, tornando os mercados financeiros incapazes de canalizar fundos de forma eficiente”. Assim, crises financeiras são grandes perturbações nos mercados financeiros, caracterizado por quedas acentuadas nos preços dos ativos e falhas das empresas.

Por trás da crise de 2007-2008, que teve origem nos Estados Unidos e espalhou-se rapidamente pelo mundo todo, estão algumas forças, como a má gestão da inovação financeira de hipotecas residenciais e um estouro (colapso) de uma bolha “especulativa” nos preços das casas.

Historicamente, o mercado de hipotecas foi sofrendo inovações em seu sistema. Antes de 2000, somente aqueles considerados Prime, ou seja, os mais dignos de crédito conseguiam obter hipotecas residenciais. Mas, avanços tecnológicos e novas técnicas de estatística levaram a um aumento do crédito para uma nova classe de hipotecas, de maiores riscos. Surgiram os empréstimos Alt-A mortgages, ou “Alternative-A”, hipotecas para aqueles com maiores taxas de inadimplência do que os considerados Prime, mas menores do que os Subprime, e empréstimos do tipo Subprime morgtages, empréstimos subprime, para aqueles com riscos maiores ainda de inadimplência.

O desenvolvimento do mercado de hipotecas com empréstimos subprime gerou uma “democratização do crédito”, aumentando a demanda por casas, e elevando seus preços. Essa concessão de empréstimos hipotecários, no entanto, passou a ser gerida de forma irresponsável, já que cobriam credores sem qualquer capacidade de pagar, ou que não a teriam assim que as taxas de juros começassem a subir, conforme aconteceu. Corretores não faziam grandes esforços para avaliar se os mutuários eram capazes de honrarem suas dívidas.

A incapacidade de pagamento das hipotecas começou, então, a se espalhar. Casas eram vendidas, e a oferta começou a aumentar. Os preços das casas começaram a despencar, em meados de 2007, e a bolha habitacional estourou.  Foi um período de muita oferta para pouca demanda de casas. Proprietários que tinham suas casas hipotecadas, ao comparar o valor da hipoteca com o valor de suas respectivas casas, acabavam abandonando-as, já que as hipotecas eram maiores que os valores dos imóveis.

O evento considerado como “detonador” da crise ocorreu em 15 de Setembro de 2008, quando o Lehman Brothers entrou com pedido de falência, depois de sofrer perdas no mercado “subprime”. O FED recusou-se a socorrer a instituição, como nos diz Oreiro, e isso teve um impacto muito grande no estado de confiança dos mercados financeiros, já que quebrou a expectativa de que a autoridade monetária norte-americana ajudaria as instituições financeiras que sofreram com a bolha especulativa do mercado imobiliário. Ocorreu, então, um aumento da procura pela liquidez, que detonou um processo de venda de ativos financeiros em larga escala (“deflação de ativos”), além da contração do crédito bancário para transações comerciais e industriais. Isso reduziu a produção industrial e o comercio internacional em todo o mundo.

Os impactos da crise foram mais evidentes em 5 principais áreas: o mercado de residências dos Estados Unidos; demonstrativos financeiros das instituições financeiras; o sistema bancário “paralelo”; mercados financeiros globais; e grandes empresas. É considerada por muitos uma crise que poderia ter sido evitada.

Nota: no vídeo a seguir, podemos observar de maneira ilustrativa e mais didática como ocorreu a crise:

http://www.youtube.com/watch?v=PFGSW-8hKIQ

 

FONTES:

http://www.scielo.br/pdf/rep/v29n1/08.pdf

http://www.valor.com.br/opiniao/1005340/serie-especial-sobre-crise-economica

MISHKIN, Frederic S. The economics of Money, Banking, and Financial Markets.”

 

.

Mercados Financeiros

ECEC A – Crise Financeira de 2007-2008

 

“Apesar de ter se passado 6 anos desde a Crise Financeira de 2007-2008, a economia mundial ainda não se recuperou totalmente e não sabemos quanto tempo levará para tal. Especialistas afirmam que esta foi gerada pela constante desregulamentação do setor financeiro norte-americano, o que resultou na formulação, por diversas instituições financeiras dos EUA, de títulos que misturavam em si riscos dos mais variados e que, por não exigência de lei, esses títulos não precisavam de muito detalhamento para serem autorizados. Outro grande fator de justificativa foi o mercado imobiliário, que começou a dar sinais de fraqueza após a taxa de juros americana subir de 1% para 5,35% entre 2004 e 2006, fazendo com que o preço dos imóveis caísse e as taxas de inadimplência aumentassem, principalmente aquelas referentes aos empréstimos do subprime (hipotecas de alto risco). Durante 2007, a crise do subprime já era uma realidade, fazendo com que várias instituições financeiras nos EUA e Europa tivessem problemas de liquidez e pedissem ajuda dos bancos centrais.

A crise do subprime se desenvolveu a partir de três fatores principais originários nos EUA: o afrouxamento da regulamentação sobre as ações de instituições financeiras – o que permitiu um aumento sensível no grau de alavancagem dessas empresas -, o aumento no número de financiamentos de maior risco e a colatelarização (associação de títulos financeiros a ativos físicos) às hipotecas. E o modo pelo qual essa crise se espalhou no mundo foi justamente a colaterização: títulos que colocavam em si, de maneira unificada, compromissos de recebimento de hipotecários de diferentes ratings, desde os bons até os péssimos pagadores, eram vendidos mundialmente como oportunidades de investimento com alto retorno e baixo risco (chamados CDOs, collateralized debt obligations). Tais títulos não tinham exigência de lei de serem devidamente detalhados – o que deixava como informação relevante basicamente o fato de serem “altamente lucrativos e de baixo risco” – e eram vendidos a instituições financeiras mundialmente.

No início de 2008, o FED começa a temer os efeitos da crise do subprime sobre a economia, afetando o crédito ao consumidor e os empréstimos a empresas. O governo americano assume, em setembro, o controle das empresas de hipoteca Fannie Mae e Freddie Mac, as maiores do setor imobiliário norte-americano até então.

Três dias após o resgate das empresas de hipoteca, o Lehman Brothers, à época um dos maiores e mais confiáveis bancos norte-americanos, declara prejuízo de US$3,9bi no trimestre. Ao mesmo tempo, na Europa, há alertas de que as economias de Inglaterra, Alemanha e Espanha podem apresentar recessão já em 2008. Sem encontrar comprador, o Lehman pede concordata e torna-se o primeiro grande banco a entrar em colapso na crise.

A partir da falência do Lehman, segue-se um efeito cascata generalizado provocado pela grande incerteza da real situação do sistema financeiro americano. Após o congresso rejeitar um pacote de US$ 700 bilhões proposto por Bush para resgatar o sistema financeiro, a bolsa de Nova Iorque caiu quase 7% num único dia, causando a maior queda em número de pontos dos últimos 80 anos. No Brasil, a Bovespa chegou a cair mais de 10%, o que levou a Bolsa a interromper o pregão por 30 minutos com o objetivo de acalmar os ânimos do mercado.

O efeito dessa crise sobre a regulação culminou no Acordo de Basileia 3, ocorrido em 2008 e ainda não completamente colocado em aplicação. Outro efeito foi sobre a regulamentação das reservas do tesouro norte-americanas, que passaram a ser remuneradas, como forma de incentivar a manutenção de reservas nos bancos (diminuindo os empréstimos desses bancos e a consequente alavancagem).

Fontes:

http://www.dgabc.com.br/Noticia/1000984/basileia-3-e-resposta-a-crise-de-2008-diz-diretor-do-bc?referencia=minuto-a-minuto-topo

http://www.estadao.com.br/infograficos/os-efeitos-da-crise-do-setor-imobiliario-dos-eua,1546.htm

https://www.youtube.com/watch?v=PFGSW-8hKIQ

 

.

Mercados Financeiros

ECEC D – Principais mercados de ações internacionais

 

“Uma ação é um título negociável que representa uma fração mínima do capital social de uma empresa de capital aberto, ou seja, uma empresa do tipo sociedade anônima. Nas economias modernas, a grande maioria das operações no mercado acionário ocorre por intermédio das bolsas de valores. Nesse sentido, mercado de ações é o meio responsável por oferecer condições e sistemas necessários para a compra e venda de títulos de valores mobiliários, de forma transparente. No mercado de ações, existem as bolsas de valores, que possuem atividade de regulação, a fim da manutenção de padrões éticos de negociação, e divulgação das operações realizadas com rapidez, amplitude e detalhes

ecec d 1

O ranking da tabela acima é baseado na capitalização de mercado em dólares. Trata-se da soma dos valores de todas as ações (por preço de mercado) negociadas em determinada bolsa. É a métrica mais usada para “medir” o tamanho de uma bolsa de valores. Entretanto, isso não significa que o mercado de ações nas bolsas com melhor desempenho, segundo capitalização de mercado, seja mais eficiente.

 Segundo a Hipótese de Mercados Eficientes, a eficiência de um mercado depende da maneira pela qual as informações disponíveis refletem imediatamente no preço das ações. Existem três categorias de mercados eficientes. A eficiência fraca é aquela em que os preços são totalmente integrados por informações passados. Um mercado é eficiente no sentido semiforte quando os preços incorporam toda informação publicamente disponível, incluindo demonstrações contábeis publicadas, além de séries históricas de preço. Já de acordo com a hipótese forte de mercado, se algum indivíduo possuir informações privilegiadas, esse não será capaz de ter lucro negociando com base nas informações que possui. Ou seja, a HME forte afirma que os preços refletem instantaneamente até mesmo informações ocultas ou “privilegiadas”.

 No mercado de ações, existem alguns índices que representam indicadores de desempenho de um conjunto de ações, ou seja, mostram a valorização de um determinado grupo de papéis ao longo do tempo. Os preços das ações podem variar por fatores relacionados à empresa ou por fatores externos, como o crescimento do país, do nível de emprego e da taxa de juro. Assim, as ações de um índice podem apresentar comportamento diferente no mesmo período, podendo ocorrer valorização ou desvalorização. O índice de ações do mercado brasileiro mais conhecido é o Ibovespa. A figura abaixo mostra os principais índices, nos diferentes continentes, de bolsas de valores internacionais juntamente com o do Brasil.

 ecec d 2

 Então, concluímos que uma ação é um indicador de mensuração informacional que deve refletir as informações disponíveis sobre o mercado em um determinado momento. Assim, a HEM tem como pré-requisito um sistema eficiente de informações, que esteja apto a identificar, coletar, processar e divulgar informações consideradas relevantes por meio de mecanismos ágeis, abrangendo diversos integrantes do mercado.

Sendo assim, o mercado de capitais internacional demonstra – através de seus índices conhecidos mundialmente e de toda sua organização e movimentação -, que ele tende ao mercado eficiente na forma fraca ou semiforte. Ele se torna eficiente, uma vez que mesmo apresentando pequenas falhas de mercado, elas são corrigidas em um período de tempo muito curto.

 Bibliografia:

http://www.bmfbovespa.com.br/indices/BuscarIndices.aspx?idioma=pt-br
http://blog.bussoladoinvestidor.com.br/maiores-bolsas-de-valores-do-mundo/
http://br.advfn.com/mundo
http://exame.abril.com.br/rede-de-blogs/voce-e-o-dinheiro/2012/10/25/ranking-das-bolsas-mundiais-setembro-de-2012/
http://educacional.bmf.com.br/
http://www.ead.fea.usp.br/semead/11semead/resultado/trabalhosPDF/287.pdf
http://seer.uscs.edu.br/index.php/revista_gestao/article/viewFile/188/111

.

Mercados Financeiros

ECO A – Eficiência nos mercados de capitais

 

Para começarmos uma discussão sobre a eficiência dos principais mercados de ações do mundo, é importante investigar, na teoria econômica, o que se entende sobre a eficiência no mercado de capitais.

O conceito de eficiência no mercado de Capitais e, portanto, no mercado de ações, está relacionado com a ideia de que todos os agentes tenham informações suficientes para a fundamentação da geração de preços, isto é, se as informações relevantes para a geração de preço forem completamente processadas pelo mecanismo de preço do mercado de Capitais, então este mercado é chamado eficiente. Este conceito é amplamente utilizado no mainstream econômico.

Eugene Fama, no seu trabalho da década de 1970, define três diferentes formas de eficiência de mercado: Forma Fraca, Forma Semiforte e Forma Forte. Na Forma Fraca, os retornos não podem ser previstos a partir de retornos do passado ou de nenhum indicador baseado no mercado. Na Forma Semiforte, os preços refletem toda informação pública disponível, incluindo dados do mercado como relatórios financeiros, previsões econômicas, anúncios das empresas. Já na Forma forte de eficiência, os preços refletem toda informação pública e privada, isto é, até os agentes que tem informação privilegiada não ganhariam retorno excessivos. 

A partir desta teoria, supondo eficiência semiforte, teremos que o preço esperado no futuro, condicional à informação pública disponível, deverá ser igual ao preço atual. Ou seja, mudanças de preço são causadas por fatores randômicos não correlacionados com as informações disponíveis. 

De fato, a maioria dos trabalhos empíricos da década de 70 demonstra que há possibilidade de existência de eficiência semiforte de mercado. Porém, a partir do final da década de 1970 e início de 1980 começaram a ser detectadas inconsistências a partir da observação da realidade econômica. Há, por exemplo, o efeito “small firm effect”, fenômeno em que as ações das pequenas firmas apresentam retornos acima da média, em determinado momento.

No ano passado, Eugene Fama dividiu o prêmio Nobel de economia com Robert Shiller. Economistas com abordagens diametralmente opostas uma da outra.  Shiller acredita que os investidores estão sujeitos a surtos de irracionalidade, então, a partir de uma perspectiva keynesiana, ele argumenta que os preços das ações são direcionados a partir da ação de especuladores e não por fundamentos do mercado. Shiller defende políticas econômicas de cunho altamente regulador.

De acordo com uma matéria do Daily China, os principais mercados de ações do mundo são, em primeiro lugar, o New York Stock Exchange com um volume de capitalização de 17,949.88 bi de dólares,  em seguidos pela NASDAQ OMX o Tokyo Stock Exchange e o Osaka Securities Exchange, que formam o Japan Exchange Group,  Como vemos na tabela a seguir:

 eco a 1

 Dado que os mercados de ações acima são os maiores do mundo, os custos destes em obter informações são os menores do mercado, logo são os mais eficientes.

A partir das duas abordagens mais famosas de eficiência de mercado, podemos analisar se os principais mercados de ações do mundo são eficientes. Ou seja, se apresentam as condições de mercado eficiente preconizadas por Fama ou se apresentam ou não regulações suficientes, a se entende em Shiller.

Links:

www.jstor.org/stable/pdfplus/3216841.pdf?acceptTC=true&jpdConfirm=true

http://www.bbc.com/news/magazine-24579616

http://www.econlib.org/library/Enc/EfficientCapitalMarkets.html

http://arxiv.org/pdf/1208.1298.pdf

www.chinadaily.com.cn/business/2014-04/29/content_17472002.htm

http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=1713