Política Monetária

E-ECO: Uma comparação entre os instrumentos de política monetária no Brasil e nos EUA

.

Introdução

Sabemos que existem 3 principais instrumentos que afetam a política monetária, são elas:

  • Reservas compulsórias
  • Taxas de redesconto
  • Operações no open Market

Os objetivos nos EUA e Brasil no que diz respeito ao manuseio dos instrumentos monetários são os mesmos, mas os meios para consegui-los são distintos.

Caso Brasileiro

A gestão de política monetária do Brasil geralmente se da em open Market e reservas compulsórias. A taxa de redesconto de liquidez não é utilizada no Brasil, pois temos um sistema de pagamentos muito avançado em questão de tecnologia. Pois os fluxos de caixa são feitos em tempo real. Com este sistema, os riscos de liquidez passam a ser dos bancos comerciais e não do banco central, sendo assim, os bancos comerciais são obrigados a assumir esses riscos e terminar o dia sem estarem no “vermelho”. O banco central não remunera as reservas dos bancos comercias junto a ele como acontece nos EUA, impossibilitando (ops!!) assim a formação de um mercado de reserva.

Comparação com o caso americano:

A política monetária dos EUA é condensada nas reservas compulsórias e voluntárias. Isso ocorre porque o FED paga aos bancos comerciais uma taxa para as reservas guardadas junto a ele, criando assim um mercado de reservas nos EUA.

Como todo mercado existe também uma taxa (iff – interested federal funds). Como as reservas dos bancos americanos são lastreadas em títulos públicos, esta taxa do banco central americano vem da formação dos mercados de títulos. Com este esboço podemos apresentar a curva de oferta de reserva deste mercado como a somatória das reservas não emprestáveis (MBn – nonborrowed monetary base), que são as operações de open Market e as reservas emprestáveis (BR – borrowed reserves), que consiste nas compulsórias e voluntárias, que, para serem retiradas do FED, devem pagar uma taxa de redesconto. A formação da demanda neste mercado consiste na atuação dos bancos comerciais.

­­­Relação dos Depósitos Compulsórios com o Multiplicador Monetário

Depósitos compulsórios são instrumentos de política monetária e de preservação da estabilidade e a Solidez do Sistema Financeiro Nacional e influenciam o multiplicador monetário, ampliando ou reduzindo o volume de recursos que os bancos podem transformar em crédito para a economia e, dessa forma, controlam a expansão dos agregados monetários.

e-eco-figura-1

Figura 1 – Depósitos Compulsórios Brasil 09.2006 à 09.2015

Como visto anteriormente, o depósito compulsório possui uma relação inversa com o multiplicador monetário, pois quanto maior os depósitos compulsórios, menos recursos os bancos terão para emprestar e menor será o multiplicador monetário.

Utilização dos compulsórios na crise internacional de 2008

Nos países mais expostos aos papéis lastreados em hipotecas subprime do mercado imobiliário norte-americano houve uma rápida deterioração dos indicadores de solvência dos bancos e motivou a adoção de medidas emergenciais de contenção da crise. Entretanto no Brasil, as medidas adotadas foram para atenuar os efeitos da crise sobre o sistema bancário doméstico para compensar a diminuição da liquidez nos mercados financeiros. O confortável volume de depósitos compulsórios possibilitou ao BCB injetar liquidez no sistema bancário e contribuiu para normalização das condições de crédito. Houve uma liberação seletiva de recursos que deveriam ser direcionados a aquisição de ativos ou realização de depósitos de/em bancos pequenos e médios. Os recursos foram liberados para aplicação em instituições com Patrimônio de Referência de até R$7 bilhões que não fizessem parte dos conglomerados dos aplicadores. Para evitar a concentração, cada banco poderia aplicar somente 20% de tais recursos em uma mesma instituição. Essas medidas ocasionaram uma redução do montante agregado recolhido, de pouco mais de R$ 250 bilhões para cerca de R$ 180 bilhões.

e-eco-figura-2

Fiugra 2 – Evolução do Recolhimento Compulsório 03.2008 à 03.2016

Referencias Bibliográficas:

https://www3.bcb.gov.br/sgspub/localizarseries/localizarSeries.do?method=prepararTelaLocalizarSeries

http://www4.bcb.gov.br/pec/gci/port/focus/faq%2012-depósitos%20compulsórios.pdf

https://www.federalreserve.gov/monetarypolicy/fomc.htm

MISHKIN, F. “Economics of Money, Banking and Financial Markets, 10th Edition.”

Notas de Aula

 

.